Archiprix Portugal
Portugues English


Cruz Quebrada é uma zona cujo crescimento foi sempre ligado às dinamicas da cidade de Lisboa e às suas necessidades. Nos séculos XVIII-XIX foi uma zona de praia muito procurada pela aristocracia lisboeta, devido sobretudo à sua proximidade e sossego. Deixou de sê-lo quando, a causa dos residuos vertidos no rio Jamor pelas indústrias que aí surgiram nos anos 30 do século passado, as condições da praia e a qualidade da água começaram resultar fortemente alteradas. Lusalite e Gist-Brocades (as indústrias em questão), sem embargo, por 70 anos foram motor económico e urbanístico da Cruz Quebrada. Fazem parte, portanto, de um património industrial não reconhecido oficialmente, ao qual se junta, encontrando-se também na área abrangida pelo projeto, o Ramal do Estádio Nacional.
Cruz Quebrada é uma zona cujo crescimento foi sempre ligado às dinamicas da cidade de Lisboa e às suas necessidades. Nos séculos XVIII-XIX foi uma zona de praia muito procurada pela aristocracia lisboeta, devido sobretudo à sua proximidade e sossego. Deixou de sê-lo quando, a causa dos residuos vertidos no rio Jamor pelas indústrias que aí surgiram nos anos 30 do século passado, as condições da praia e a qualidade da água começaram resultar fortemente alteradas. Lusalite e Gist-Brocades (as indústrias em questão), sem embargo, por 70 anos foram motor económico e urbanístico da Cruz Quebrada. Fazem parte, portanto, de um património industrial não reconhecido oficialmente, ao qual se junta, encontrando-se também na área abrangida pelo projeto, o Ramal do Estádio Nacional.

O espaço selecionado como área de projeto se localiza na foz do vale do Rio Jamor, abrangendo uma área de 21 hectares e compreendendo: os complexos fabris Lusalite e Gist-Brocades, a estação de comboio da Cruz Quebrada, a ultima secção do rio Jamor, a frente ribeirinha e a praia. Situada na freguesia de Cruz Quebrada-Dafundo, no limite leste do concelho de Oeiras, a área de projeto apresenta-se numa situação particularmente favorável, encontrando-se no meio do fluxo turístico e rotinario entre Lisboa e Cascais e sendo tocada e atravessada por diferentes infraestruturas, tanto viárias como ecológicas.
O espaço selecionado como área de projeto se localiza na foz do vale do Rio Jamor, abrangendo uma área de 21 hectares e compreendendo: os complexos fabris Lusalite e Gist-Brocades, a estação de comboio da Cruz Quebrada, a ultima secção do rio Jamor, a frente ribeirinha e a praia. Situada na freguesia de Cruz Quebrada-Dafundo, no limite leste do concelho de Oeiras, a área de projeto apresenta-se numa situação particularmente favorável, encontrando-se no meio do fluxo turístico e rotinario entre Lisboa e Cascais e sendo tocada e atravessada por diferentes infraestruturas, tanto viárias como ecológicas.

O estado geral de abandono e as condições de aguas e solos levaram a uma planificação faseada da intervenção. Numa primeira fase foram definidas três categorias de intervenção em relação aos edifícios, baseadas nas condições de conservação e na potencial presencia de substancias toxicas. Neste sentido também foi definida uma estrategia de escavações profundas do terreno subjacente e à volta dos edifícios. A segunda fase prevê um plano de fitorremediação com três objetivos: a remediação de situações de contaminação dos solos, a definição de uma barreira ao fim de controlar os níveis de salinidade das aguas que também inclui um plano de recuperação do sistema dunar, e a restauração do ecossistema ribeirinho. A terça fase prevê a criação de um circuito de tratamento das aguas.
O estado geral de abandono e as condições de aguas e solos levaram a uma planificação faseada da intervenção. Numa primeira fase foram definidas três categorias de intervenção em relação aos edifícios, baseadas nas condições de conservação e na potencial presencia de substancias toxicas. Neste sentido também foi definida uma estrategia de escavações profundas do terreno subjacente e à volta dos edifícios. A segunda fase prevê um plano de fitorremediação com três objetivos: a remediação de situações de contaminação dos solos, a definição de uma barreira ao fim de controlar os níveis de salinidade das aguas que também inclui um plano de recuperação do sistema dunar, e a restauração do ecossistema ribeirinho. A terça fase prevê a criação de um circuito de tratamento das aguas.

Sendo a regeneração do balanço ecológico e a reativação económica da área as prioridades desta intervenção, a solução escolhida foi a de recriar artificialmente um ecossistema natural (piscina natural), capaz de devolver uma zona de praia à Cruz Quebrada, sendo o elemento central e o motor de diferentes atividades que possam dinamizar a área, gerando novas economias atrativas tanto a nível turistico quanto a nível local. O plano de usos e atividades se focaliza na criação de um ambiente de qualidade, no qual o lazer, as atividades ao ar livre, a cultura e a natureza são os produtos consumíveis de um novo conceito de complexo industrial.
Sendo a regeneração do balanço ecológico e a reativação económica da área as prioridades desta intervenção, a solução escolhida foi a de recriar artificialmente um ecossistema natural (piscina natural), capaz de devolver uma zona de praia à Cruz Quebrada, sendo o elemento central e o motor de diferentes atividades que possam dinamizar a área, gerando novas economias atrativas tanto a nível turistico quanto a nível local. O plano de usos e atividades se focaliza na criação de um ambiente de qualidade, no qual o lazer, as atividades ao ar livre, a cultura e a natureza são os produtos consumíveis de um novo conceito de complexo industrial.

O sistema natural foi definido baseando-se em três princípios: A conservação das espécies existentes, pela maioria autóctonas; a remediação dos solos por meio de espécies hiperacumuladoras, capazes de corrigir situações de contaminação por parte de metais pesados e hidrocarbonetos através de diferentes processos; a recuperação/recriação de um ecossistema aquatico, por meio de macrofitas aquáticas, sendo escolhidas espécies, emersas e flutuantes, que apresentam uma boa capacidade adaptativa, ao fim de obter um sistema autossustentável e resiliente.
O sistema natural foi definido baseando-se em três princípios: A conservação das espécies existentes, pela maioria autóctonas; a remediação dos solos por meio de espécies hiperacumuladoras, capazes de corrigir situações de contaminação por parte de metais pesados e hidrocarbonetos através de diferentes processos; a recuperação/recriação de um ecossistema aquatico, por meio de macrofitas aquáticas, sendo escolhidas espécies, emersas e flutuantes, que apresentam uma boa capacidade adaptativa, ao fim de obter um sistema autossustentável e resiliente.

O sistema da mobilidade prevê a pedonalização de toda a área de projeto, sendo acessível só a pedestres, bicicletas e autocarros eléctricos (para consentir a conexão com a estação do comboio). Esta transformação é feita através da supressão da Avenida Ferreira Godinho e da reabertura do antigo túnel do Ramal do Estadio Nacional, que permitirá o atravessamento por debaixo da Avenida Marginal. O sistema interno de ciclovias pretende funcionar em conexão com as ciclovias existentes, tendo como situação ideal uma ligação ciclável entre Lisboa e Cascais.
O sistema da mobilidade prevê a pedonalização de toda a área de projeto, sendo acessível só a pedestres, bicicletas e autocarros eléctricos (para consentir a conexão com a estação do comboio). Esta transformação é feita através da supressão da Avenida Ferreira Godinho e da reabertura do antigo túnel do Ramal do Estadio Nacional, que permitirá o atravessamento por debaixo da Avenida Marginal. O sistema interno de ciclovias pretende funcionar em conexão com as ciclovias existentes, tendo como situação ideal uma ligação ciclável entre Lisboa e Cascais.





ÍNDICE PROJETO
 
ECO RESTORATION AND ECONOMIC REVITALIZATION OF INDUSTRIAL AREAS
Universidade de Lisboa

The case study of Lusalite and Gist-Brocades complex in Cruz Quebrada
Qual o futuro dos complexos que antigamente representaram grandes centros de produção e que hoje em dia se encontram em condições de abandono e degrado, ocupando espaços sem atividades nem função? Como poderão integrar-se novamente ou colocar-se ativamente nas novas formas urbanas? Que tipo de desenvolvimento poderão promover?
Os complexos fabris Lusalite e Gist-Brocades foram deixados ao abandono no fim dos anos ’90, quando as atividades produtivas que neles se desenvolviam foram deslocadas para áreas mais afastadas dos centros urbanos. O projeto de revitalização da zona na qual se encontram as suas instalações faz parte de uma discussão mais ampla sobre o futuro das antigas áreas de produção.
O projeto pretende retomar o contexto histórico da Cruz Quebrada como ponto de partida, sendo as consequências negativas da atividade industrial no solo e nas águas consideradas como oportunidades para um novo inicio.
A revitalização da área passará, consequentemente, pela restauração ecológica do sistema fluvial da foz do rio Jamor, e pela construção duma piscina natural e de uma serie de espaços públicos, sendo estes elementos motores de diferentes atividades, capazes de gerar novos fluxos económicos ligados à produção de bens monetariamente inquantificáveis, quais o lazer, a cultura ou a natureza.