Archiprix Portugal
Portugues English

Axonometria geral
Axonometria geral

Hortus Conclusus - Planta 45.00
Hortus Conclusus - Planta 45.00

Refeitório - Corte transversal
Refeitório - Corte transversal

Auditório - Corte longitudinal
Auditório - Corte longitudinal

Corte BB’ - Claustro, terreiro e jardim
Corte BB’ - Claustro, terreiro e jardim

Hortus Conclusus - Vista de um terreiro
Hortus Conclusus - Vista de um terreiro

Hortus Conclusus - Vista do terreiro junto ao refeitório
Hortus Conclusus - Vista do terreiro junto ao refeitório

Auditório - Vista do foyer
Auditório - Vista do foyer




ÍNDICE PROJETO
 
A PRESENÇA DA ARQUITECTURA COMO ENCLAVE
Universidade de Lisboa -
Faculdade de Arquitectura

Reflexões a partir da cerca de Santa Marta de Lisboa
No corpo da cidade há a marca de cinturões, perímetros, recintos. O espaço público é configurado, na sua génese e desenvolvimento, por uma constelação de territórios dentro do seu território, limites e roturas de escala que o fragmentam. Entre estes lugares permanecem enclaves urbanos – unidades que circunscrevem um território de sentido autónomo dentro do tecido construído. A preservação e resignificação destes espaços de introversão urbana dentro da cidade consolidada pode ser uma estratégia de projecto compatível, por um lado, com a manutenção da sua identidade e ambientes específicos, e, por outro, com a criação de novas permeabilidades – isto é, a regeneração do espaço da cidade consolidada pode ser concretizada precisamente na afirmação da presença destes enclaves, na sua escala de mediação entre objecto arquitectónico e troço de cidade e na sua relação com o tecido a partir de barreiras físicas e permeabilidades limitadas.

Esta investigação propôs-se abordar estes territórios, tomando como caso de estudo a colina de Santana, em Lisboa, marcada pela presença de vários enclaves murados (de génese conventual) e desenvolvendo um projecto para um conjunto multifuncional para um deles: a cerca de Santa Marta. Actualmente um hospital, a sua desactivação está prevista na sequência da construção do Hospital de Todos-os-Santos. A intervenção inclui a reabilitação do edifício conventual, a funcionar como centro de conhecimento, contendo um núcleo museológico e dois espaços de ensino (constituindo um pólo em conjunto com a Universidade Autónoma, que ocupa o palácio contíguo). No espaço da cerca são implantados os programas mais capazes de funcionar como charneira entre interior e exterior (um auditório ou um refeitório comunitário, por exemplo).