Archiprix Portugal
Portugues English

PLANTA GERAL E IMPLANTAÇÃO DA PROPOSTA

A área de intervenção corresponde a um vazio urbano que marca a transição entre a cidade e a periferia/aglomerados rurais na cidade de Viseu. Na periferia, o urbano dilui-se, torna-se indefenido, vago, ambíguo. Por isso, optou-se pela procura de referências com vista ao estabelecimento de articulação com o ambiente urbano através da conceção de um bloco compacto que consolida a frente da circunvalação, mas que procura ser inclusiva com o locus da cidade de Viseu.
PLANTA GERAL E IMPLANTAÇÃO DA PROPOSTA

A área de intervenção corresponde a um vazio urbano que marca a transição entre a cidade e a periferia/aglomerados rurais na cidade de Viseu. Na periferia, o urbano dilui-se, torna-se indefenido, vago, ambíguo. Por isso, optou-se pela procura de referências com vista ao estabelecimento de articulação com o ambiente urbano através da conceção de um bloco compacto que consolida a frente da circunvalação, mas que procura ser inclusiva com o locus da cidade de Viseu.

AXONOMETRIA DA PROPOSTA

O interesse do programa da Arquitetura Intergeracional na cidade de Viseu não reside na arquitetura, do ponto de vista social, solitária, mas nas comunidades urbanas com todos os elementos necessários para uma sociedade em funcionamento. Neste sentido, a proposta atua como elemento unificador e consolidador do vazio com a envolvente e corrige o défice de necessidade de habitação económica, potenciando também assim as dinâmicas sociais.
AXONOMETRIA DA PROPOSTA

O interesse do programa da Arquitetura Intergeracional na cidade de Viseu não reside na arquitetura, do ponto de vista social, solitária, mas nas comunidades urbanas com todos os elementos necessários para uma sociedade em funcionamento. Neste sentido, a proposta atua como elemento unificador e consolidador do vazio com a envolvente e corrige o défice de necessidade de habitação económica, potenciando também assim as dinâmicas sociais.

PLANTAS PISO 0|!|2|3

As unidades habitacionais, por forma a garantir-se a complementaridade e a atratividade com a cidade, desenvolveram-se as seguintes tipologias: T0, T1, T2, T3, T4, bem com uma unidade residencial destinada a jovens ou estudantes.
PLANTAS PISO 0|!|2|3

As unidades habitacionais, por forma a garantir-se a complementaridade e a atratividade com a cidade, desenvolveram-se as seguintes tipologias: T0, T1, T2, T3, T4, bem com uma unidade residencial destinada a jovens ou estudantes.

VISTA DOS ESPAÇOS PÚBLICOS EXTERIORES | ALAMEDA

O conjunto produz uma série de espaços intermédios, potenciadores de lugares de encontro e de contemplação, tal como, uma alameda que inclui um patamar que acompanha o declive do terreno criando perspectivas visuais para o casco histórico da cidade.
VISTA DOS ESPAÇOS PÚBLICOS EXTERIORES | ALAMEDA

O conjunto produz uma série de espaços intermédios, potenciadores de lugares de encontro e de contemplação, tal como, uma alameda que inclui um patamar que acompanha o declive do terreno criando perspectivas visuais para o casco histórico da cidade.

VISTA DO PÁTIO EXTERIOR DAS HABITAÇÕES

Com a repetição e variação, procurou-se marcar a pauta compositiva das fachadas dos edifícios propostos acabando por se seguir a lógica e imagem dos edifícios envolventes.
VISTA DO PÁTIO EXTERIOR DAS HABITAÇÕES

Com a repetição e variação, procurou-se marcar a pauta compositiva das fachadas dos edifícios propostos acabando por se seguir a lógica e imagem dos edifícios envolventes.

VISTA EXTERIOR DO PAVILHÃO MULTIUSOS ADJACENTE À PRAÇA

A complementaridade dos espaços criados e o pavilhão multiusos torna-se fundamental. O pavilhão multiusos é um projeto com mais escala e caráter programático capaz de dotar a praça com mais atividade garantindo-lhe aberturas, contactos e potenciando a escola existente.
VISTA EXTERIOR DO PAVILHÃO MULTIUSOS ADJACENTE À PRAÇA

A complementaridade dos espaços criados e o pavilhão multiusos torna-se fundamental. O pavilhão multiusos é um projeto com mais escala e caráter programático capaz de dotar a praça com mais atividade garantindo-lhe aberturas, contactos e potenciando a escola existente.




ÍNDICE PROJETO
NOMEADO
VISEU CIDADE INCLUSIVA: ARQUITECTURA INTERGERACIONAL
Universidade Católica Portuguesa / Centro Regional das Beiras

HABITAÇÃO E ESPAÇO PÚBLICO
A constituição e composição de partes de uma cidade resulta de processos de criação e estudos diversificados que abarcam diversos temas de análise e interpretação da morfologia urbana, não podendo a arquitetura ficar resumida apenas à ideia base de um projeto.
O processo conceptual que conduzirá à implantação do conjunto habitacional multigeracional, e concepção de áreas envolventes tem que ser gerido pela relação da arquitetura com o lugar, na precisão de análise do locus, que constitu um facto urbano singular, pela dimensão topográfica e pela sua forma. O interesse do programa da arquitetura multigeracional não reside na arquitetura, do ponto de vista social, solitária, mas nas comunidades urbanas com todos os elementos necessários para uma sociedade em funcionamento: residências, comércio, zonas de lazer e outros programas dinâmicos.
O sector a estudar a pormenor, encontra-se Localizado no lugar onde se realiza a feira semanal de Viseu, a área de intervenção corresponde a um vazio urbano que marca a transição entre a cidade e a periferia/aglomerados rurais. Apresenta uma perspetiva privilegiada para o centro histórico e insere-se num lote que apresenta uma topografia relativamente neutra, com limites bem demarcados e com bastante proximidade a um dos espaços verdes mais privilegiados da cidade, a Cava de Viritato.
Por forma a evitar-se a mono-funcionalidade do zonamento, o conjunto foi concebido como um esquema de uso misto que se pretende auto-sustentável, incorporando as três esferas da vida urbana - habitações, comércio e lazer – permitindo, assim, o seu uso contínuo ao longo do dia. Os volumes formalizam entre si um ângulo que intensifica o enquadramento cénico do espaço, que tem como pano de fundo o património da cidade (centro histórico e Cava de Viriato), formando entre si espaço verde comum de uso privado ao condomínio, uma praça ladeada por comércio e um pavilhão multifuncional e desportivo associado à escola existente.