Archiprix Portugal
Portugues English

IMG1_Objectivos: A estratégia estabeleceu como objectivos, a promoção de uma maior conexão entre os núcleos (Centro Histórico-Universidade) e, a capacidade de promover a criação de novas dinâmicas e maior diversidade, através de dois vectores de actuação: criar dependências e, criar novas dinâmicas potenciando a escala humana do centro da cidade.
IMG1_Objectivos: A estratégia estabeleceu como objectivos, a promoção de uma maior conexão entre os núcleos (Centro Histórico-Universidade) e, a capacidade de promover a criação de novas dinâmicas e maior diversidade, através de dois vectores de actuação: criar dependências e, criar novas dinâmicas potenciando a escala humana do centro da cidade.

IMG2_Estratégia: A proposta aposta num programa cultural diversificado que funciona como rede integrada, composta por diferentes programas que se materializa através do resgate de edifícios obsoletos e degradados, em pausa portanto, reciclando-os e introduzindo os novos programas para a cidade e, incorporando também programas e actividades já existentes potenciando o seu valor na leitura global da cidade.
IMG2_Estratégia: A proposta aposta num programa cultural diversificado que funciona como rede integrada, composta por diferentes programas que se materializa através do resgate de edifícios obsoletos e degradados, em pausa portanto, reciclando-os e introduzindo os novos programas para a cidade e, incorporando também programas e actividades já existentes potenciando o seu valor na leitura global da cidade.

IMG3_Local: Numa fase posterior, o projecto focou-se de forma mais detalhada numa acção específica, procurando intervir através de uma estratégia parasita numa antiga fábrica de componentes automóveis obsoleta, que se constitui como oportunidade e impulso reformador para a cidade.
IMG3_Local: Numa fase posterior, o projecto focou-se de forma mais detalhada numa acção específica, procurando intervir através de uma estratégia parasita numa antiga fábrica de componentes automóveis obsoleta, que se constitui como oportunidade e impulso reformador para a cidade.

IMG4_Programa: O novo programa, visa criar uma plataforma para celebrar a criatividade e inovação artísticas no campo da música, através de palestras, workshops, estúdios, eventos inovadores e festivais. A este programa associa-se ainda a rádio universitária promovendo o ambiente criativo e experimental que se procura para este espaço e, simultaneamente promovendo conexões e novas relações para a cidade.
IMG4_Programa: O novo programa, visa criar uma plataforma para celebrar a criatividade e inovação artísticas no campo da música, através de palestras, workshops, estúdios, eventos inovadores e festivais. A este programa associa-se ainda a rádio universitária promovendo o ambiente criativo e experimental que se procura para este espaço e, simultaneamente promovendo conexões e novas relações para a cidade.

IMG5_Conceito: Partindo do imaginário da fábrica enquanto “Motor” composto por uma linha de produção (Armazém, Produção, Difusão) o desenho procura resgatar essa memória, reinventando-a e adaptando-a ao novo programa (Formação, Produção, Difusão). Desta forma, a proposta introduz uma nova chaminé, que marca a nova entrada e, que é o mote de toda a intervenção, sugerindo um novo fervilhar da actividade e que resgata a imaginário associado à actividade industrial.
IMG5_Conceito: Partindo do imaginário da fábrica enquanto “Motor” composto por uma linha de produção (Armazém, Produção, Difusão) o desenho procura resgatar essa memória, reinventando-a e adaptando-a ao novo programa (Formação, Produção, Difusão). Desta forma, a proposta introduz uma nova chaminé, que marca a nova entrada e, que é o mote de toda a intervenção, sugerindo um novo fervilhar da actividade e que resgata a imaginário associado à actividade industrial.

IMG6_Linguagem: A linguagem do espaço interior, procura também jogar com a racionalidade e mecanização associada à actividade fabril, contrapondo-a à experimentação e informalidade associada ao novo programa, mais criativo e cultural. Assim, os volumes que albergam o novo programa, nascem da malha rígida sugerida, agarrando-se à nova “linha de produção” que distribui e une todo o programa.
IMG6_Linguagem: A linguagem do espaço interior, procura também jogar com a racionalidade e mecanização associada à actividade fabril, contrapondo-a à experimentação e informalidade associada ao novo programa, mais criativo e cultural. Assim, os volumes que albergam o novo programa, nascem da malha rígida sugerida, agarrando-se à nova “linha de produção” que distribui e une todo o programa.




ÍNDICE PROJETO
NOMEADO
ARQUITECTURA PARASITA
Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão

Motivados pela convicção que a arquitectura está ligada à história, simbolismo e significados do lugar e, sempre relacionada a um tempo e espaço concretos, o trabalho procura validar a possibilidade da arquitectura contemporânea encontrar o seu lugar quando actua sobre espaços pré-existentes, repletos de significados e simbolismos próprios que, denominamos por lugares em pausa.

Entendemos que existe a necessidade de olhar o pré-existente, sob uma perspectiva de identidade contemporânea. Importa assim à arquitectura ser capaz de arrancar ao lugar a fórmula do seu próprio renascer e, ser coerente com a própria época, permitindo a evolução e a verdade da intervenção através de uma posição que não se manifesta numa atitude exclusivamente patrimonialista, que procura preservar congelando, mas que promove a ideia de aproveitar a herança recebida, agindo sobre ela de uma forma responsável.

É nestas condições, que acreditámos que o parasita arquitectónico encontra o seu hospedeiro ideal, surgindo como um motor de intervenção e, abrindo campo a novas possibilidades e soluções. O que propomos é uma perspectiva positiva, encarando o parasitismo como uma forma de mutualismo onde ambas as partes beneficiam da relação estabelecida surgindo como uma resposta possível para actuar e dinamizar, proporcionando uma nova oportunidade a lugares ausentes da dinâmica actual da cidade. O organismo parasita resulta no fundo, em estruturas flexíveis que se alimentam das infraestruturas existentes procurando uma alquimia de usos e funções promovendo um impacto positivo.