Archiprix Portugal
Portugues English


Uma vez que a Venezuela descobre o petróleo no final do século XIX, o país atravessou uma época de mudanças sociais, econômicas e políticas. Passa de ser um país que vivia unicamente da agricultura, a um pais exportador de petróleo, tornando-se numa nação industrializada.
Uma vez que a Venezuela descobre o petróleo no final do século XIX, o país atravessou uma época de mudanças sociais, econômicas e políticas. Passa de ser um país que vivia unicamente da agricultura, a um pais exportador de petróleo, tornando-se numa nação industrializada.

Pretende-se criar um novo volume de acesso para o teleférico onde seja claro que é o ponto principal de acesso e que este se relacione mais com o conjunto. Por outra parte conceber o volume principal de distribuição do hotel sem ocultar as verdadeiras origens da obra autentica, mantendo sempre presente a época no qual foi construído e as fortes influencias de grandes mestres da arquitectura moderna que nele se reflectem.
Pretende-se criar um novo volume de acesso para o teleférico onde seja claro que é o ponto principal de acesso e que este se relacione mais com o conjunto. Por outra parte conceber o volume principal de distribuição do hotel sem ocultar as verdadeiras origens da obra autentica, mantendo sempre presente a época no qual foi construído e as fortes influencias de grandes mestres da arquitectura moderna que nele se reflectem.

A ideia de intervenção na pré-existência surge com uma necessidade de reformulação do programa. Desta maneira divide-se o programa em cinco partes: Público, Semi-privado, Privado, Administrativo e de serviço. Distribuindo estas pelo edifício com a finalidade de criar diferentes espaços, com diferentes atmosferas que definam o edifício como um espaço de distintas linguagens arquitectónicas que se vão descobrindo no percorrer do circuito do hotel.
A ideia de intervenção na pré-existência surge com uma necessidade de reformulação do programa. Desta maneira divide-se o programa em cinco partes: Público, Semi-privado, Privado, Administrativo e de serviço. Distribuindo estas pelo edifício com a finalidade de criar diferentes espaços, com diferentes atmosferas que definam o edifício como um espaço de distintas linguagens arquitectónicas que se vão descobrindo no percorrer do circuito do hotel.

No exterior adaptou-se a fachada da torre uma pele que procura unir o “ícone” que é o próprio hotel com a “hamaca” referência do país sendo esta, um dos elementos mais tradicionais descendente dos indígenas, tentando assim esta harmonia entre a modernidade e a tradição.
No exterior adaptou-se a fachada da torre uma pele que procura unir o “ícone” que é o próprio hotel com a “hamaca” referência do país sendo esta, um dos elementos mais tradicionais descendente dos indígenas, tentando assim esta harmonia entre a modernidade e a tradição.

Na linguagem exterior do hotel pretende-se manter a sua imagem diferenciando significativamente a torre que abarca o programa privado do resto do conjunto do hotel. Esta separação reflecte-se na redução de dois dos andares da torre, para assim dar claramente a perceber que existe uma separação não só programática mas também no que respeita ao edifício e sua imagem.
Na linguagem exterior do hotel pretende-se manter a sua imagem diferenciando significativamente a torre que abarca o programa privado do resto do conjunto do hotel. Esta separação reflecte-se na redução de dois dos andares da torre, para assim dar claramente a perceber que existe uma separação não só programática mas também no que respeita ao edifício e sua imagem.




ÍNDICE PROJETO
 
REVIVEHUMBOLDT
Escola Universitária das Artes de Coimbra

Reabilitação do Hotel Humboldt - Caracas, Venezuela
A Venezuela é um país marcado por incertezas, sociais, políticas e culturais. No horizonte da montanha Ávila em Caracas aparece o Hotel Humboldt, reminiscência de um país rico cheio de oportunidades.
A proposta de projecto consiste na reabilitação do Hotel Humboldt construído em 1956, implantado a 2150 metros de altura sob o nível do mar na montanha Ávila, Caracas, Venezuela. El Ávila é um dos maiores pontos de interesse na cidade de Caracas, é também o que separa a cidade do Mar das Caraíbas, um labirinto verde que oferece oxigénio à cidade. É relevante destacar que ao cimo da montanha a vista oferecida é totalmente imponente, tendo ao sul a cidade e ao norte o mar.

Para atingir uma coerência de ideia de projecto foi necessário fazer uma ligação entre os vários discursos de estudo. Tais discursos são fundamentais na evolução da ideia conceptual. O sítio, peça fundamental do hotel, já que o Arq. Tomás José Sanabria incluiu a envolvente à arquitectura; A importância deste perante a cidade, trás uma vida de aberturas e encerramentos tornou-se reflexo do desenvolvimento politico do país e também ícone da cidade; Esta solução vira encerrar esta vida de distúrbios que o hotel manteve, completando-o e devolvendo à cidade o seu ícone.

A ideia de projecto na linguagem interior surge do problema de se encontrar afastado da cidade e não ter qualquer programa que desperte a atenção das pessoas, este é o principal factor do encerramento do hotel. Desta maneira manifesta-se a necessidade de acrescentar programa que complete o hotel sem dissuadir a sua essência e valor.

Na linguagem exterior do hotel pretende-se criar um novo volume de acesso para o teleférico onde seja claro que é o ponto principal de acesso e que este se relacione mais com o conjunto. Por outra parte conceber o volume principal de distribuição do hotel sem ocultar as verdadeiras origens da obra autentica, mantendo sempre presente a época no qual foi construído e as fortes influencias de grandes mestres da arquitectura moderna que nele se reflectem.