Archiprix Portugal
Portugues English

O Agroturismo Casa da Quinta Nova é uma proposta para um empreendimento turístico em espaço rural, onde está presente a reabilitação da Casa preexistente para albergar todo o programa necessário, com exceção dos balneários de apoio à piscina que se encontram num edifício anexo. Procurou-se preservar a imagem e identidade do espaço construído, colocando a zona da piscina numa área mais reservada em relação aos espaços de acesso geral da casa.
O Agroturismo Casa da Quinta Nova é uma proposta para um empreendimento turístico em espaço rural, onde está presente a reabilitação da Casa preexistente para albergar todo o programa necessário, com exceção dos balneários de apoio à piscina que se encontram num edifício anexo. Procurou-se preservar a imagem e identidade do espaço construído, colocando a zona da piscina numa área mais reservada em relação aos espaços de acesso geral da casa.

Pelo seu valor intrínseco ou pela sua importância na caracterização do conjunto, considerou-se imprescindível salvaguardar o lugar, com um caráter de memória e identidade; o sítio, com vistas privilegiadas e orientadas para o vale; o lagar, pela sua singular beleza associada à função; a capela, pelo seu uso e pelo que representa para a casa e para a Quinta; o pátio, como espaço onde convergem as diversas zonas da casa e pela sua memória associada ao trabalho rural; a diversidade dos alçados, que refletem o crescimento progressivo da casa, ao longo de diferentes períodos; e a casa de banho, por ser um dos poucos exemplos de uma casa de banho do início do século XX ou anterior.
Pelo seu valor intrínseco ou pela sua importância na caracterização do conjunto, considerou-se imprescindível salvaguardar o lugar, com um caráter de memória e identidade; o sítio, com vistas privilegiadas e orientadas para o vale; o lagar, pela sua singular beleza associada à função; a capela, pelo seu uso e pelo que representa para a casa e para a Quinta; o pátio, como espaço onde convergem as diversas zonas da casa e pela sua memória associada ao trabalho rural; a diversidade dos alçados, que refletem o crescimento progressivo da casa, ao longo de diferentes períodos; e a casa de banho, por ser um dos poucos exemplos de uma casa de banho do início do século XX ou anterior.

Tornou-se primordial aproveitar a localização da Casa para promover os usos mais públicos do programa orientados a sul, aproveitando uma das principais qualidades inerentes à sua localização, as suas vistas.
Tornou-se primordial aproveitar a localização da Casa para promover os usos mais públicos do programa orientados a sul, aproveitando uma das principais qualidades inerentes à sua localização, as suas vistas.

A proposta aponta para uma lógica semelhante à existente, em que reserva o piso 2, para áreas mais privadas, oferecendo aos hóspedes desta modalidade de Turismo Rural seis suites, e o piso 1 e 0, que sempre foram espaços de trabalho, e o Lagar, para áreas comuns, restaurante e zona de prova de vinhos.
A proposta aponta para uma lógica semelhante à existente, em que reserva o piso 2, para áreas mais privadas, oferecendo aos hóspedes desta modalidade de Turismo Rural seis suites, e o piso 1 e 0, que sempre foram espaços de trabalho, e o Lagar, para áreas comuns, restaurante e zona de prova de vinhos.

A proposta aponta para uma lógica semelhante à existente, em que reserva o piso 2, para áreas mais privadas, oferecendo aos hóspedes desta modalidade de Turismo Rural seis suites, e o piso 1 e 0, que sempre foram espaços de trabalho, e o Lagar, para áreas comuns, restaurante e zona de prova de vinhos.
A proposta aponta para uma lógica semelhante à existente, em que reserva o piso 2, para áreas mais privadas, oferecendo aos hóspedes desta modalidade de Turismo Rural seis suites, e o piso 1 e 0, que sempre foram espaços de trabalho, e o Lagar, para áreas comuns, restaurante e zona de prova de vinhos.

A casa apresenta duas realidades distintas, sendo a parte Sul muito mais visível, a quem se aproxima, assumindo uma certa imponência com os seus três pisos, e a parte Norte, com um único piso, mais marcada pela escala da habitação tradicional, a que corresponde um programa mais interativo e público ou mais contido e privado.
A casa apresenta duas realidades distintas, sendo a parte Sul muito mais visível, a quem se aproxima, assumindo uma certa imponência com os seus três pisos, e a parte Norte, com um único piso, mais marcada pela escala da habitação tradicional, a que corresponde um programa mais interativo e público ou mais contido e privado.

Acredita-se que a Casa da Quinta Nova concilia as memórias da antiga quinta como a inovação, através do cruzamento de técnicas vernaculares com as novas soluções de intervenção.(1. zona de receção dos hospedes; passadiço sobre a zona de estar que permite unir as duas alas de quartos; área de loja e lagar para prova de vinhos; sala de estar e de acesso ao restaurante. 2. os dois edifícios e a relação com a Quinta Nova.)
Acredita-se que a Casa da Quinta Nova concilia as memórias da antiga quinta como a inovação, através do cruzamento de técnicas vernaculares com as novas soluções de intervenção.(1. zona de receção dos hospedes; passadiço sobre a zona de estar que permite unir as duas alas de quartos; área de loja e lagar para prova de vinhos; sala de estar e de acesso ao restaurante. 2. os dois edifícios e a relação com a Quinta Nova.)

Acredita-se que a Casa da Quinta Nova concilia as memórias da antiga quinta como a inovação, através do cruzamento de técnicas vernaculares com as novas soluções de intervenção.(1. zona de receção dos hospedes; passadiço sobre a zona de estar que permite unir as duas alas de quartos; área de loja e lagar para prova de vinhos; sala de estar e de acesso ao restaurante. 2. os dois edifícios e a relação com a Quinta Nova.)
Acredita-se que a Casa da Quinta Nova concilia as memórias da antiga quinta como a inovação, através do cruzamento de técnicas vernaculares com as novas soluções de intervenção.(1. zona de receção dos hospedes; passadiço sobre a zona de estar que permite unir as duas alas de quartos; área de loja e lagar para prova de vinhos; sala de estar e de acesso ao restaurante. 2. os dois edifícios e a relação com a Quinta Nova.)




ÍNDICE PROJETO
 
REUTILIZAÇÃO DAS ARQUITETURAS DE PRODUÇÃO
Universidade Católica Portuguesa / Centro Regional das Beiras

Projeto de Reabilitação da Casa da Quinta Nova para Agroturismo
Partindo de um programa relacionado com Turismo em Espaço Rural e acreditando que este pode ter um papel determinante na preservação do património vernacular e cultural associado às áreas rurais e às inerentes às atividades agrícolas, procurou-se devolver a dignidade à Quinta Nova.
A presente prova final consiste no desenvolvimento de um projeto de reabilitação da Casa da atual Quinta Nova, uma habitação do século XVIII não classificada, mas com algumas características arquitetónicas que a tornam particularmente interessante e detentora de valor. Situa-se na Freguesia de Pindo, em Penalva do Castelo. A propriedade em que se localiza a Casa, de cariz agrícola, tem cerca de 4 hectares, que incluem o edifício e o terreno circundante, essencialmente dividido em leiras.

Ao longo de décadas, o edifício foi-se desenvolvendo e sofrendo alterações, de acordo com as necessidades da família e atualmente é composto por uma adega, uma capela e quatro alas, formando um pátio central, tendo crescido de forma faseada e em estreita relação com as atividades rurais. Durante um certo período, albergou um grupo de padres, numa zona com alguma autonomia, que incluía a capela, onde eram realizadas as celebrações religiosas da comunidade.

Pretende-se intervir de forma coerente e integrada, incluindo a conservação da Casa da Quinta Nova e a propriedade, associando as ações de reabilitação ao turismo e recuperando algumas atividades, como forma de preservação e de rentabilização da Quinta. Neste sentido, o projeto propõe uma reabilitação articulada da Casa e da sua envolvente, através da alteração da habitação, adaptada a Agroturismo, e uma requalificação dos espaços exteriores.

É através desta modalidade de Turismo em Espaço Rural, enquanto meio de desenvolvimento económico, que se pretende encontrar a solução para a reabilitação desta casa agrícola.