Archiprix Portugal
Portugues English

Enquadramento e implantação da proposta
Enquadramento e implantação da proposta

Plantas, Alcados e Cortes da preexistencia
Plantas, Alcados e Cortes da preexistencia

Esquemas, esquicos e desenhos da proposta
Esquemas, esquicos e desenhos da proposta

Fotografias da Maqueta
Fotografias da Maqueta

Plantas da proposta piso -2 e piso-1, Corte de Fachada
Plantas da proposta piso -2 e piso-1, Corte de Fachada

Plantas da proposta piso 0 e piso 1, corte longitudinal e fachada norte
Plantas da proposta piso 0 e piso 1, corte longitudinal e fachada norte

Imagens da proposta pelo exterior
Imagens da proposta pelo exterior

Imagens da proposta pelo interior
Imagens da proposta pelo interior




ÍNDICE PROJETO
 
REABILITAÇÃO DE EDÍFICO ESCOLAR SÉC. XIX
Escola Superior Gallaecia

Arquivo Municipal
Para além do contributo no âmbito da conservação do acervo documental da vila de Caminha com a organização do Arquivo, a presente proposta, ao incidir na reabilitação do edifício da Escola Central Padre Pinheiro, contribui também para a preservação do património arquitetónico da mesma.
A escola Central Padre Pinheiro em Caminha, foi edificada nos finais do Séc. XIX, encontrando-se atualmente num estado devoluto, com elevado grau de degradação. Este equipamento representa uma época em que o ensino em Portugal estava a estabilizar. É um exemplo elucidativo de arquitetura que marcou toda uma geração, e que neste momento é necessário realizar uma avaliação profunda de como intervir neste tipo de edifícios.
Esta escola constitui o objeto de estudo deste projeto, tendo como principal objetivo uma intervenção que permitisse preservar a memória e valor arquitetónico do mesmo e ao mesmo tempo valorizar toda uma zona envelhecida e um pouco descuidada com intervenções isoladas sem manter uma clara relação entre elas. A área da intervenção, além da excelente exposição solar é muito delimitada por vias de comunicação, sendo a norte pela Avenida Saraiva de Carvalho, a Sul pela linha férrea e a poente pela rua da Corredoura. Também é de salientar que a nascente se encontra os restos das muralhas que envolviam Caminha no século XVIII que tinham um tratamento de não-lugar em contato estreito com um estacionamento público aberto, facto que a desvalorizava notavelmente.
Ao propor a reabilitação deste equipamento, pretende-se que para além do contributo no âmbito da conservação do acervo documental da vila de Caminha com a organização do Arquivo, contribuir também para a preservação do património arquitetónico da mesma, ruinas incluídas. O projeto consiste na valorização da preexistência como epicentro de um conjunto de volumes conectados a si.
Ao núcleo deste conjunto agregam-se três novos corpos dentro da área de implantação de modo a rentabilizar o espaço e servindo de enquadramento para o recinto exterior. Os três volumes assumem funções diferentes, a nordeste, o corpo para preservação e valorização do achado arqueológico, a sul, os depósitos do arquivo que ajudam a procurar uma distância maior com a linha do comboio e a poente zona de tratamento de documentos. Ambos comunicam através de comunicações verticais e horizontais, tendo sempre ligação ao edifício principal. O exterior, é composto por pátios e zonas ajardinadas.