Archiprix Portugal
Portugues English

Apresentam-se as distintas aproximações na amostra: a Vila da Nazaré e a antiga Lagoa da Pederneira agora caracterizada pelos campos Agrícolas da Cela e Valado de Frades. Revelam-se os primeiros vestígios da temática da Impermanência com a observação in situ ao longo do tempo da investigação, tornando-se visível desta forma a transformação na morfologia da paisagem ao longo do ano, apontando-se através do registo fotográfico as dinâmicas observadas.
Apresentam-se as distintas aproximações na amostra: a Vila da Nazaré e a antiga Lagoa da Pederneira agora caracterizada pelos campos Agrícolas da Cela e Valado de Frades. Revelam-se os primeiros vestígios da temática da Impermanência com a observação in situ ao longo do tempo da investigação, tornando-se visível desta forma a transformação na morfologia da paisagem ao longo do ano, apontando-se através do registo fotográfico as dinâmicas observadas.

A impermanência no tempo e no espaço. Regista-se a transformação linear da amostra selecionada, enfatizando a formação das populações da Vila da Nazaré e as dinâmicas da Lagoa da Pederneira desde o seu período de máxima extensão até à sua extinção. A cronologia apresentada aponta novas temáticas enunciadas pela impermanência: a recursividade do lugar.
A impermanência no tempo e no espaço. Regista-se a transformação linear da amostra selecionada, enfatizando a formação das populações da Vila da Nazaré e as dinâmicas da Lagoa da Pederneira desde o seu período de máxima extensão até à sua extinção. A cronologia apresentada aponta novas temáticas enunciadas pela impermanência: a recursividade do lugar.

A transformação cronológica evidencia-se, em síntese, no corte temporal apresentado. Colocam-se em relação os tempos estudados na transformação da amostra, procurando a relação entre a Nazaré e a Lagoa da Pederneira e apontando-se novas escalas de análise.
A transformação cronológica evidencia-se, em síntese, no corte temporal apresentado. Colocam-se em relação os tempos estudados na transformação da amostra, procurando a relação entre a Nazaré e a Lagoa da Pederneira e apontando-se novas escalas de análise.

As transformações passam a ser entendidas segundo causas-relações que sintetizam a transformação no lugar. A nova escala anuncia várias aproximações o que faz com que a investigação seja transescalar, e pelas dinâmicas que relaciona, transdisciplinar.
As transformações passam a ser entendidas segundo causas-relações que sintetizam a transformação no lugar. A nova escala anuncia várias aproximações o que faz com que a investigação seja transescalar, e pelas dinâmicas que relaciona, transdisciplinar.

Ciclos da Impermanência. São relacionadas e mapeadas as distintas velocidades e ciclos nas duas aproximações da amostra, percebendo em cada uma o seu carácter (urbano e agrícola) e as suas dinâmicas específicas.
Ciclos da Impermanência. São relacionadas e mapeadas as distintas velocidades e ciclos nas duas aproximações da amostra, percebendo em cada uma o seu carácter (urbano e agrícola) e as suas dinâmicas específicas.

Corte síntese da análise realizada na Praia da Nazaré. Relação entre materialidade, topografia e escala: sistemas de relação entre terra e água.
Corte síntese da análise realizada na Praia da Nazaré. Relação entre materialidade, topografia e escala: sistemas de relação entre terra e água.

Corte síntese da análise realizada nos Campos da Cela. Relação de Permeabilidade e Escala: os sistemas de relação entre terra e água.
Corte síntese da análise realizada nos Campos da Cela. Relação de Permeabilidade e Escala: os sistemas de relação entre terra e água.

Escala de aproximação e registo a um dia de praia. A escala da análise ao longo da investigação oscila e é flexível dando resposta, em representação, às temáticas encontradas. O desenho proposto regista um dia de praia através do levantamento das atividades e apropriações na Praia da Nazaré ao longo de um dia/noite de Verão. O fluxo turístico na relação das atividades e dinâmicas, e morfologia visual da Praia.
Escala de aproximação e registo a um dia de praia. A escala da análise ao longo da investigação oscila e é flexível dando resposta, em representação, às temáticas encontradas. O desenho proposto regista um dia de praia através do levantamento das atividades e apropriações na Praia da Nazaré ao longo de um dia/noite de Verão. O fluxo turístico na relação das atividades e dinâmicas, e morfologia visual da Praia.




ÍNDICE PROJETO
 
PROJECTO DE REPRESENTAÇÃO DA IMPERMANÊNCIA
Universidade do Minho

Entre a Nazaré e a Lagoa da Pederneira
Partindo do olhar específico descoberto na amostra - entre a Nazaré e a Lagoa da Pederneira - a investigação ensaia o projeto de representação da impermanência, tema explorado em representação arquitetónica através da análise e aproximação à especificidade do lugar.
Partindo do olhar específico descoberto na amostra selecionada, a investigação ensaia a partir da temática o projeto de representação da impermanência: entre a Nazaré e a Lagoa da Pederneira.

Associa-se à descoberta do lugar o autor Orlando Ribeiro e a partir deste traduzem-se as três premissas de abordagem utilizadas: desmultiplica-se o conceito de rótula, usado pelo geógrafo, como descoberta do lugar e como interligação e vinculação de tempos e conceitos; aplica-se a análise in situ privilegiando a vivência e o registo no lugar; apreende-se a temática da impermanência no tempo da investigação, transformando e criando um novo registo e uma nova interpretação transdisciplinar e transescalar sobre o lugar.

O olhar específico da impermanência encontra na relação entre a terra-água o seu foco, relação fulcral na amostra selecionada na sua localização de devir entre terra e mar. Abordam-se os “líquidos”, que traduzem movimentos e fluxos experimentados na representação que capta estas dinâmicas no lugar.

A investigação transforma-se ao longo dos três capítulos que se desdobram em três tempos: linear, relacional e vivido na experiência da impermanência. Através deles descodifica-se o seu processo de transformação, na sua caracterização geomorfológica, intrinsecamente ligada à antiga Lagoa da Pederneira e aos limites administrativos dos Coutos de Alcobaça, fazendo a transição relacional e reformulando o conceito na regressão imanente ao lugar.

Avançando até à impermanência vivida percebe-se como as dinâmicas da sua formação se relacionam com o entendimento das dinâmicas presentes no lugar agora. O projeto de investigação pretende traduzir-se num ensaio de representação encarado como uma construção impermanente, a qual flui através do seu processo de experimentação. A impermanência inerente à investigação é exposta através do Processo impermanente que acompanha o trabalho e o desdobra na sua complexidade relacional pelas quais passa o investigação, enfatizando os momentos que a transforma.