Archiprix Portugal
Portugues English

Estratégia e evolução da ideia | Planta de Localização | Planta de Implantação.
Estratégia e evolução da ideia | Planta de Localização | Planta de Implantação.

Planta Piso 0.
Planta Piso 0.

Planta Piso 1.
Planta Piso 1.

Planta Piso -1 - Estacionamento.
Planta Piso -1 - Estacionamento.

Alçados e Cortes
Alçados e Cortes

Corte CC - Execução.
Corte CC - Execução.

Axonometria - Principais elementos construtivos e distribuição do programa.
Axonometria - Principais elementos construtivos e distribuição do programa.

Maquete. Escala 1.200.
Maquete. Escala 1.200.




ÍNDICE PROJETO
 
TERMINAL DE AUTOCARROS EM CAMPANHÃ
Universidade da Beira Interior

O projecto coloca a arquitectura ao serviço das estratégias fundamentais para a sustentabilidade e identidade da cidade perante as questões da mobilidade. Propõem-se a optimização dos transportes públicos rodoviários do Porto, com uma infra-estrutura que complementa o serviço de transportes adjacentes à Estação de Campanhã.
Enquanto projecto final de curso, este trabalho pretende explorar algumas questões proeminentes da relação recíproca entre a cidade e sociedade contemporânea, partindo do problema central da mobilidade e, consequentemente, da transformação dos usos do solo e da condição e identidade do território.

Pretende-se uma infra-estrutura eficaz, que contribua para a conjuntura local e dinâmica da cidade. Perante os problemas e necessidades identificados no espaço urbano quanto à circulação e funcionamento dos transportes colectivos da cidade do Porto, propõe-se um equipamento que permite responder aos problemas do transporte rodoviário, inserindo-se estrategicamente na vizinhança da Estação de Campanhã, permitindo a optimização e a cooperação com o actual sistema de transportes e acesso às principais vias de circulação.

O projecto propõe um volume em “L”, cujo corpo maior assume o alinhamento das linhas férreas e, o corpo menor, flecte separando os dois principais espaços exteriores deste equipamento: o espaço de acesso ao terminal com área ajardinada e o espaço de chegadas e partidas de autocarros. Para o lado do acesso ao terminal, prolongando o corpo maior, uma cobertura abriga o acesso pedonal à Estação de Campanhã e à rua.

O equipamento assume-se como pano de fundo da cidade, protege a envolvente e salvaguarda o visitante da logística própria deste tipo de infra-estruturas, atenuando o impacto de um espaço tecnológico desta natureza. O volume tenta suavizar uma relação de escala com a estação e a zona menos densa a oeste de Campanhã.

Dois pisos e o estacionamento coberto, definem o programa do terminal. No piso 0, os serviços de apoio ao transporte, espaços para passageiros e serviços, e, no piso 1, a área de administração. O volume assume-se numa modulação reticulada pela estrutura em betão armado branco e aparente, libertando o espaço central interior e tornando o acesso aos autocarros mais eficaz.